Páginas

Em Breve:

O quilo do esquilo é o quilo do esquilo no skate da Kate.


16/02/2016

Entrevista


Entrevista com Bárbara Nogueira, a Babi!

Por Paula Conc

[Imagem: Arquivo pessoal de Babi Nogueira]

   Quando conheci a Babi foi através do grupo de skate do Vaka Loka no Whatsapp. Um dia numa dessas de marcar session no final de semana, a Babi veio ao meu encontro para irmos até um campeonato [que acabou adiado por causa de uma tempestade de verão]. Isso não quer dizer que o final de semana tenha acabado, pois skatista sempre se diverte, e no dia seguinte já estávamos no campeonato do Valão, realizado pelo Pedro Orelha. De lá para cá, só pude constatar que a menina gosta realmente de skate e tem muita coisa para contar. Por isso, nasceu a entrevista, que você confere agora.

VLS: Quando foi seu primeiro contato com o skate?
Babi: Foi quando eu era pequena e ganhei um. Porém, minha mãe jogou fora alegando ser coisa de menino. Só depois em 2009 que tive outro contato. Foi através de um ex namorado, e então resolvi montar o meu skate e estou aí, entre idas e vindas.

VLS: Você já se machucou muito feio alguma vez?
Babi: Sim. Torci o pé duas vezes, e agora estou indo para a terceira operação no joelho também.

VLS: Nossa! Guerreira, hein! E apesar dessas lesões, qual a manobra que você mais curte mandar?
Babi: Halfcab de front

VLS: E qual você está se esforçando para acertar?
Babi: Hardflip

VLS: O Rio ganhou algumas pistas e picos de uns tempos para cá. Quais são seus locais preferidos para fazer uma session, ou um pico legal para uma manobra?
Babi: Gosto muito de andar em rua. Sou da época da XV [Praça xv] e Monumento. Quase não haviam pistas e as que existiam eram níveis hard! [risos] Mas gosto muito de andar no Bicão, minha segunda casa. Posso andar em qualquer pista, mas no Bicão me sinto em casa.

[ Arquivo pessoal]

VLS: Sempre temos um lugar que gostamos mais. E com os amigos então...melhor ainda. Às vezes a session flui tanto que dá até merda. Já se meteu em alguma enrascada durante um rolé?
Babi: Sim... Fui bater um ollie de back na empolgação e torci o meu pé pela segunda vez. Foi lá no Bicão.

VLS: Agora vamos para a polêmica!!! [João Kleber modo on ]
         Em 2014 você fez um ensaio fotográfico [ by Rodrigo Porogo] que deu o que falar. Era um tal de "Já viu aquela mina do skate que posou sensual?" pra lá, a mina do skate pra cá. Como você recebeu as críticas boas e ruins?
Babi: Se eu te falar que as críticas ruins não chegaram a mim.... [risos]. Só as boas , então vou falar das boas... Muita gente que me esculachava de feia e tal, quando viram o ensaio até não pareciam mais as mesmas pessoas que me zoavam. E de lá para cá, muitos que me julgavam ficam babando ovo, elogiando. Aquele ensaio me ajudou até a enxergar uma beleza que eu escondia, e me vez enxergar também que posso melhorar a cada dia. Através do ensaio surgiram trabalhos novos, e reconhecimento .

VLS: Você é bem estilosa, posta muitas fotos na rede social. Você é praticamente uma It Girl do skate [risos!]. Você acha que essa sua ligação com a moda veio através do ensaio, ou ela já existia e apenas aflorou a partir daquele momento?
Babi: Cresceu a partir daquele momento, com muita gente dizendo que eu deveria investir naquilo, pois tinha talento. E também com a marca DNG, fazendo ensaios, ganhei mais  convicção de que era isso mesmo que eu queria, além do skate.

[Arquivo pessoal]

VLS: Hoje você é uma mulher inserida na moda. Pretende continuar investindo nisso ou tem outros planos?
Babi: Pretendo continuar sim, porém também tenho outros planos. Quero começar minha faculdade de administração e viajar para Portugal, conhecer minhas origens.

VLS: Como você enxerga o cenário do skate feminino aqui no Rio hoje? Skatista para skatista, e organizações para skatista.
Babi: Infelizmente o skate não é skate como antes, onde nego se importava menos com as coisas materiais, indústria e focava mais no rolé, na alegria compartilhada com os amigos. Skate virou comércio de não skatista, onde pessoas que não tem a essência lucram mais que aqueles que têm seu corre e trabalha mesmo de skatista para skatista. Vejo também que tem muita panelinha. Se a mina é bonita, ela é divulgada mais que aquela mina que tem um rolezão. A mídia é muito grande, e a briga por espaço fez com que muitos perdessem a verdadeira essência, o real motivo que começaram a andar.

[Arquivo pessoal]

VLS: O que você curte ouvir durante a session?
Babi: Racionais Mc

VLS: E para finalizar, um espaço para você agradecer quem quiser e mandar um f#%$-se  para quem quiser.
Babi: Agradeço a Deus por me manter sempre no skate apesar da saúde...Agradecer a quem me deu muito apoio e não se encontra mais aqui, como meu avô e meu amigo Bruno [Escova]. Agradeço também a Bia Cristina que sempre esteve presente nos conselhos. Ao meu pai e minha irmã Victória Lima. E um f#$%-se para aqueles que querem ver alguém mal, e que na verdade estão cavando a própria sepultura.

VLS: Uooww!! Obrigada Babi, e boa sorte na sua jornada!
Babi: Obrigada a você, e boa sorte em dobro!


Instagram da Babi! @babingueiiiraa










Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vai comentar não?!